Barragem de Rejeitos e a influência das detonações na sua estabilidade (CASO BRUMADINHO)

por Eng. de Minas Mario A. Ortega Noriega
537 views

Com as informações colhidas pela imprensa, pela televisão, pelos depoimentos, é possível analisar a influência das detonações de explosivos nas frentes de lavra e nas barragens de rejeitos da Mineração da Vale SA.

Cabe salientar, que esse estudo se baseia na proximidade da frente de lavra 1.698,33m. Não sabendo a quantidade de explosivo, tipo de explosivo, se são utilizados retardos, com qual tempo, carga por tempo e se existe monitoramento sismográfico.

Sabe-se que o minério de ferro é duro e consistente onde o comportamento das ondas sísmicas provocadas pelas detonações tem características definidas, e quando entram em contato com emulsão (sólidos e água), provocam liquefação e estas vibrações provocaram o colapso da barragem na parte inferior desta assim como a ruptura por cisalhamento das laterais da barragem, claramente observados na filmagem do colapso.

Da mesma forma quando acontece um Acidente Aeronáutico o CENIPA – Brasil, ou NSA – National Security Agency/ – USA, as causas do acidente são investigadas, procuradas, analisadas, levantando todas as possibilidades (inclusive terrorismo) de forma a chegar a conclusões, que permitam a otimização da operação e fabricando de aeronaves mais seguras.

Foram muitas barragens que se romperam aqui no Brasil e parece ser um erro sistemático que se repete.

Realmente é impressionante, a movimentação da Vale SA. para tentar justificar o injustificável, faz alardes da Contratação de Consultoria e de técnicos do exterior, como se fossem melhores que os técnicos nacionais.

Em momento nenhum, se fala das análises das vibrações provocadas pelas detonações das frentes de lavra a 1.698,33m de distância da barragem.

A empresa Alemã que atestaria a segurança das barragens nunca desconfiou da influência das vibrações das detonações que a Vale SA. define como sendo “corriqueiras”.

A Consultoria Externa forneceu Laudos Seguros, mas a realidade foi outra, morreram seres humanos da forma mais brutal, sem nenhuma oportunidade de se salvar, inclusive os seus próprios funcionários,

Explicarei de forma sumária o comportamento das detonações com explosivos, perante as edificações, estruturas, pontes, barragens, etc.

Quando se executa uma detonação de explosivos, se calcula a carga máxima a ser detonada por unidade de tempo (milésimos de segundos) Em função do tipo de construções, numa distância definida, a carga de explosivos é dividida para manter a vibração na frequência correta e que não impacte as construções (barragem), o monitoramento com sismógrafos em pontos estratégicos para mensurar a vibração perto e junto à barragem é uma obrigação, considerando as detonações sistemáticas fato inerente a mineração.

Limites recomendados na norma NBR-9653, da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas – deveriam ser sempre respeitadas garantindo assim a integridade das edificações e de seus moradores

Por exemplo, tendo que detonar 2.500 quilogramas de explosivo e se as construções suportam a vibração proveniente de 125 quilogramas, logo se divide em 20 retardos de 30 ou 40 ou 60 milésimos de segundos, desta forma o impacto será controlado sem efeitos negativos.

A “barragem de rejeitos” era monitorada com piezômetros, o que confirma a presença de água nos rejeitos (fato confirmado quando da ruptura da barragem) o terrível Tsunami de Lama; A combinação de emulsão de lama saturada e ondas de choque das detonações têm resultados desastrosos.

De um lado temos a frente de lavra de Minério de Ferro, rocha dura e a 1.698,33m temos uma emulsão de água e sólidos numa barragem. A onda de choque gerada na explosão viaja na rocha dura com uma frequência definida, no momento que atinge a barragem (emulsão) esta onda altera a sua freqüência, aumentando a sua amplitude e provoca duas coisas a primeira é a liquefação e a seguir o deslizamento pelo lugar de menor resistência que seria o contato da argila (argila e rejeitos) com o solo do terreno na parte inferior da barragem, conforme um Engenheiro mostrou a liquefação rompendo barragem por cima, no Caso de Brumadinho houve liquefação, mas de acordo com a filmagem a ruptura da barragem se dá na parte inferior e a separação nas laterais é clara e mostra o que a barragem de argila está encostada no terreno firme.

Barragem de Rejeitos a montante, a jusante, feita com argila e rejeitos de minério, é condenável, elas são feitas para se romper, elas foram eliminadas, nos países de primeiro mundo e mantidas nos outros países.

BARRAGEM DE REEITOS A 1.698,33 m. DA FRENTE DE LAVRA AO LADO BARRAGEM DE AGUA E AO LADO BOTA FORA DE REJEITOS SOLIDOS. A JUSANTE DA BARRAGEM A INDÚSTRIA, REFEITORIO, ESCRITORIOS, ETC

DISTANCIA DA BARRAGEM ATE O REFEITORIO, OFICINAS, ETC. ERA DE 922,91 m.

FOTOS DA RUPTURA DA BARRAGEM.

A BARRAGEM DE REJEITOS ESTA SITUADA NAS COORDENADAS 20º07’11” S e 44°07’17W
ALTITUDE 920 m A UMA DISTÂNCIA DE FRENTE DE LAVRA DE 1.698,33 m.

LIQUEFAÇÃO DA BARRAGEM E INICIO DA RUPTURA NA PARTE INFERIOR

RUPTURA NA PARTE INFERIORE NAS LATERAIS E O INICIO DA SAIDA DA EMULSÃO DE REJEITOS.

INICIO DA CORRIDA DOS REJEITOS A 60 km/h / ONDA COM 20 m DE ALTURA, REFEITÓRIO E INDÚSTRIA DA VALESA. 25 SEGUNDOS.

QUE SUPERFICIE ALINHADA, RETA, E NIVELADA QUE APARECE NAS FILMAGENS?

QUE ESPECIE DE CORTE NA LATERAL DA BARRAGEM, INCLUSIVE RESPEITANDO OS DEGRAUS, COMO FOI REALIZADO?

ONDA DE LAMA DE 20m. ALTURA 60 km/h

ONDA DE LAMA DE 20 m. DE ALTURA

OS 18.000.000 m3 DE REJEITOS INICIARAM SUA VIAGEM PARAO RIO PARAOPEBA, COM SEU GRANDE PODER DETRUIDOR, DEIXANDO A BACIA DA BARRAGEM LIMPA.

A LAMA DOS REJEITOSA 60 km/h.

AMOSTRA DE DETONAÇÃO CONTROLADA.

PARA QUALQUER PESSOA INTERESADA EM SABER COMO FUNCIONA UMA DETONAÇÃO CONTROLADA, DIVIDA POR RETARDOS DE MILESIMOS SEGUNDOS DE FORMA A MANTER AS VIBRAÇÕES DAS ONDAS SISMICAS DENTRO DE VALORES E QUE NÃO PROVOQUEM DANOS AS ESTRUTURAS, PREDIOS, BARRAGENS, ETC.

FRENTE DE LAVRA CARREGADA COM 2.500 kg DE EXPLOSIVO, COM 20 RETARDOS DE 30 MILESIMOS DESEGUNDOS, LOGO A DETONAÇÃO DEMORARA 600 MILESIMOS DE SEGUNDOS, PRATICAMENTE IMPERCEPTIVEL PARA O OUVIDO E VISÃO HUMANA.

A DETONAÇÃO FOI REALIZADA, UM SOM ÚNICO, UMA ÚNICA IMAGEM.

A DETONAÇÃO OBSERVADA EM CÁMARA LENTA, OS EXPLOSIVOS ESTÃO DETONANDO POR UNIDADE DE TEMPO DE CADA RETARDO.

A DETONAÇÃO OBSERVADA EM CÁMARA LENTA, OS EXPLOSIVOS ESTÃO DETONANDO POR UNIDADE DE TEMPO DE CADA RETARDO

A DETONAÇÃO FOI REALIZADA, UM SOM ÚNICO, UMA ÚNICA IMAGEM, MAS A REALIDADE FOI DIFERENTE, CONFORME IMAGENS ANTERIORES HOUVE ESPAÇAMENTO DE TEMPO, O QUE PERMITIU MANTER AS VIBRAÇÕES DENTRO DOS VALORES PERMITIDOS PARA A ESTRUTURA NÃO FICAR DANIFICADA.

Obs. A Onda proveniente de uma explosão difere pouco da onda sísmica proveniente de um terremoto.

As Barragens de Rejeitos são uma tragédia anunciada, ela não pode existir a Engenharia tem outras soluções, mais seguras e que devem ser implantadas no Brasil, mas tem custos que as mineradoras não querem assumir.

A BARRAGEM DE REJEITOS? Com drenagem inferior por tubulações e não por vertedouro, isso configura um Muro de Arrimo.

Como Engenheiro de Minas atuando a mais 49 anos em todo o território nacional, imagino o desespero dos funcionários desta tragédia perversa e criminosa totalmente previsível.

A obrigação do Engenheiro de Minas, conforme juramento, é proteger e defender, promovendo medidas de Segurança para os funcionários e para a sociedade e o meio ambiente.

Infelizmente, o Engenheiro de Minas que tem a grande responsabilidade técnica, teria que se posicionar perante a empresa dos riscos que estariam por vir, (já vivi esse dilema várias vezes) e fui DEMITIDO.

Recomendo que as populações que se preparem e se afastem dos lugares de risco, sejam vigilantes, infelizmente a fiscalização é deficiente e precária, e não está preocupada com as populações.

Hoje é possível verificar junto ao Google Earth e outros sistemas, se no seu município cidade existem empresas de mineração, colocando em risco a vida das pessoas.Exemplo: Maior produtor de ouro no Brasil. Fica na cidade de Paracatu – MG. Veja e tire e suas conclusões.

Engenheiro de Minas Mario Antonio Ortega Noriega
CREA 7547/D – MGTel.: 35 3335 1555 / 35 9142 5545

Você pode querer ler também

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Esperamos que você esteja de acordo com isso, caso deseje, você pode recusar. Aceitar