Até quando importaremos Cloreto de Potássio?

por Eng. de Minas Mario A. Ortega Noriega
709 views
Foto: Divulgação Potássio do Brasil

Depois de estar nas manchetes de jornais e reportagens de TV nas últimas semanas, por conta das sanções de guerra impostas a Rússia e Bielorrússia, ficou um questionamento quanto a real dependência do Brasil perante o Cloreto de Potássio importado destes dois países. O Brasil pode ser autossuficiente em Cloreto de Potássio??

Foto: Divulgação Potássio do BrasilA resposta é sim, como observaremos abaixo.

O presente Estudo foi elaborado pela Ekomine apenas levando em consideração os estados de Roraima, Pará, e parte do estado de Amazonas.

A grande dependência do Cloreto de Potássio importado, como nutriente agrícola, criou uma situação dramática para o agronegócio brasileiro, gerando um aumento dos custos operacionais das lavouras.

Como o Cloreto de Potássio tem um teor bastante elevado de potássio em sua composição (53%), aliado a uma disponibilização rápida para as plantas, tais características fizeram dele uma das fontes de potássio mais utilizadas na agricultura.

No Brasil, o Cloreto de Potássio é largamente utilizado no manejo agrícola. Dados do Ministério da Agricultura mostram que quase a totalidade do KCl usado no Brasil, 96,5%, é importado de países que compõem o oligopólio de produção do fertilizante no mundo: Rússia, Bielorrússia e Canadá.

Ao elaborarmos este estudo, ficou muito claro que a realidade é bem diferente. O Brasil possui reservas do Cloreto de Potássio gigantescas, principalmente na Região Amazônica (80% fora das Áreas Indígenas). Neste levantamento, verificamos que estas áreas estão registradas na Agencia Nacional de Mineração, com toda a identificação, nome do requerente, CNPJ/CPF, município, estado, coordenadas geográficas, minério requerido e área requerida em hectares e situação legal perante o Ministério das Minas e Energia – MME.

Existem pelo menos 400 ou mais áreas requeridas, nos estados de Roraima, Pará e Amazonas totalizando 400 x 10.000 = 4.000.000 de hectares.

Nosso estudo foi orientado para ser realizado estado por estado, inicialmente em Roraima e no Pará e posteriormente os restantes dos estados da Amazônia Legal. Chamo a atenção para a grande incidência de requerimentos na fronteira dos estados Pará e Amazonas, inclusive com áreas que já possuem a Portaria de Lavra. Estes requerimentos mais antigos são principalmente da PETROBRAS e os novos requerimentos, são de empresas como a GBG TRADE CONSULT GROUP EIRELI, DNPM 880.025/2022 protocolado em 02/02/2022.

PRINCIPAIS REQUERENTES:

1.- PETROBRAS – Silviníta e Sais de Potássio em princípio 40 áreas de 10.000 ha. A Petrobras tem 06 áreas com Portaria de Lavra num total de 60.000 hectares: DNPM 880.119/1980

2.- POTÁSSIO OCIDENTAL MINERAÇÃO LTDA. Aproximadamente 34 áreas requeridas de 10.000 ha. Como referência um processo DNPM 880.453/2008.

3.- POTÁSSIO DO BRASIL LTDA.
Aproximadamente 45 áreas requeridas de 10.000 ha. Como referência um processo DNPM 850.295/2008.

4.- AMARILLO MINERAÇÃO DO BRASIL LTDA. Aproximadamente 60 áreas requeridas de 10.000 ha. Como referência um processo DNPM 880.745/2008.

5.- FALCON METAIS LTDA. Aproximadamente 40 áreas requeridas de 10.000 ha. Como referência um processo DNPM 851065/2008

6.- MINERAÇÕ SULAMERICANA LTDA. Aproximadamente 20 áreas requeridas de 10.000 ha. Como referência um processo, DNPM 851.042/2013

7.- GBG TRADE CONSULT GROUP EIRELI
Aproximadamente 20 áreas requeridas de 9.894,09 ha. Como referência um processo, DNPM 880.025/2022

Baseado no SIGMINE – ANM – MME, Documento Público, foi feita uma estimativa do número de áreas requeridas de aproximadamente 400 (número que pode ser verificado e validado junto a ANM).

A partir deste estudo, podemos afirmar que, havendo vontade política e administrativa, o Brasil é sim autossuficiente em Cloreto de Potássio e inclusive, poderia ser mais um grande exportador.

Observações:

Importante lembrar que, quando da implantação da Lavra destas reservas, serão nescessários estudos minuciosos e Projetos de Engenharia altamente eficientes de forma a evitar a “Subsidência”, fato este que ocorreu na cidade de Berezniki, Montes Urais – Rússia na mina de Cloreto de Potássio e na cidade de Maceió, no Estado de Alagoas, na mina de Cloreto de Sódio.

Vale ressaltar que, as autoridades já sabem que o país tem uma reserva importante de Cloreto de Potássio a muito tempo, como podemos observar nessa nota do próprio IBRAM, de abril de 2009.

CRV/MG, 20/03/2022
Eng. de Minas Mario A. Ortega CREA 7547/D – MG
www.ekomine.com

Você pode querer ler também

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Esperamos que você esteja de acordo com isso, caso deseje, você pode recusar. Aceitar